Músico e Procurador da República, Mario Ghanna comenta Operação Lava Jato nas redes sociais

Artista aproveita a internet para repassar conhecimentos técnicos sobre a operação policial

Músico e Procurador da República, Mario Ghanna – Foto: Divulgação

Assunto que vem parando o Brasil nas últimas semanas, a Operação Lava Jato entrou em uma fase crucial onde políticos famosos, incluindo o ex-presidente Lula, começaram a ser publicamente investigados. O tópico virou tema de conversas na rua, no elevador e, claro, nas redes sociais.  Em meio a tantas postagens falsas e/ou sensacionalistas, aparecem interessantes publicações de uma pessoa em especial: Mario Ghanna.

Conhecido por suas composições afiadas e com um mix de ritmos, o músico paulista, radicado em Santa Catarina, também é Procurador da República e consegue, como poucos, falar sobre detalhes técnicos dessa tão famosa operação policial. Após perceber o déficit de informações objetivas sobre o caso, ele decidiu usar o próprio tempo livre para repassar o conhecimento que possui.

De acordo com Mario, a ideia das postagens explicativas surgiu após receber diversos pedidos de amigos e conhecidos. “Muitas pessoas começaram a me pedir. Amigos, ex-alunos e colegas músicos. Vivemos em um ambiente virtual extremamente polarizado, com muitas notícias distorcidas e algumas falsas. Então eles, sabendo que tenho preocupação com técnica e imparcialidade ao comentar as coisas, passaram a me pedir opiniões. E as postagens foram ganhando seguidores e adeptos“.

Músico e Procurador da República, Mario Ghanna – Foto: Divulgação

A cada reviravolta na política nacional, Mario posta respostas a questionamentos que muitas pessoas se fazem em meio a tanta informação. Para ele, esse tipo de conteúdo é de extrema importância no cenário atual.  “Antes era muito raro as pessoas se preocuparem com política e até discutir esse assunto. Temos dogmas antigos dizendo que política, futebol e religião não se discutem. Isso é uma grande bobagem. Devemos discutir, sim, esses assuntos, e todos os demais que interessam à vida das pessoas em sociedade. Eu procuro trazer esses fatos e esclarecer as nuances do Direito na prática, para que todos possam ter suas próprias conclusões, sem depender de comentaristas políticos ou jurídicos às vezes não tão imparciais assim”, conta o músico.

As publicações, feitas na página oficial do músico, que tem cerca de 89 mil curtidas, e no perfil pessoal de Mario, passaram a ser acompanhadas e fielmente compartilhadas. O conteúdo mais recente postado pelo cantor, por exemplo, já ultrapassa 480 curtidas e 164 compartilhamentos.  “A ideia das postagens é a mesma que trago em minhas canções: emancipação mental. Não tenho filiação partidária – nem posso -, não recebo verbas estatais para fazer minha música – nem quero -, por isso é tão bom ver que tem muitas pessoas se identificando com o conteúdo.“, revela.

Protesto em forma de música

Em meio aos posts políticos, a página de Mario Ghanna ainda conta com muita música, é claro. A conhecida onda de denúncias de corrupção no governo já serviu até mesmo de inspiração ao cantor, que tem canções afiadas sobre o tema.

Lançada em seu último álbum, ‘Mãos ao alto’, por exemplo, é definida por Mario como uma ode à impunidade no Brasil. “Compus essa música após ter participado de uma operação que investigava desvio de verbas praticado por um político investigado. E, para compor a música, fiz questão de pesquisar grandes casos e usar trechos deles, e algumas expressões lá usadas, na letra, para dar maior fidedignidade à narrativa”, conta.

Uma das vozes mais conhecidas da MPB, o cantor Luiz Caldas regravou e cantou com Mario a composição e conta que foi um prazer. “O trabalho do Mario Ghanna é muito bonito. Foi uma honra cantar com ele sua música “Mãos ao alto”. Muita sorte, Mario”.

Outra canção que Mario tem apresentado e está relacionada ao momento, é “João-Real”.  Por meio dela, o músico analisa de forma sarcástica o efeito prático das manifestações e as lideranças populares brasileiras. “O Brasil não tem solução constitucional fácil para crises desse tamanho. Não há válvula de escape em nossa Constituição, é uma falha. E mais, as lideranças que surgem não são, via de regra, naturais. Enfim, reflita sobre a letra da música ‘João-Real'”, provoca o músico nas redes sociais.

Escute ‘Mãos ao alto’: http://www.youtube.com/watch?v=SdcshcN0CO4

Escute ‘João-Real’: http://www.youtube.com/watch?v=arsTCBM4wnU

Acompanhe as publicações de Mario Ghanna sobre a Lava Jato: http://www.facebook.com/MarioGhanna/

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo