Equipes de resgate encontram 74 corpos de imigrantes no litoral da Líbia

Corpos de imigrantes foram encontrados nesta terça-feira (21/02) em uma praia localizada a Oeste de Trípoli, capital da Líbia – Foto: IFRC MENA/Twitter/Reprodução

Equipes de resgate retiraram das águas do mar na Praia de Zauia, a Oeste de Trípoli, capital da Líbia, os corpos de 74 imigrantes, que se afogaram quando tentavam entrar no país. O barco em que os imigrantes estavam naufragou e nem todos os ocupantes conseguiram nadar até a praia.

De acordo com informações das principais agências internacionais de notícias, além de voluntários, também participaram da operação de resgate integrantes do Crescente Vermelho.

Morados próximos do local do naufrágio encontraram a embarcação e chamaram as autoridades policiais locais, que imediatamente acionaram as equipes de resgate.

Os corpos de alguns imigrantes estavam presos na embarcação, e as equipes tiveram muito trabalho para retirá-los. Entre os mortos há mulheres e crianças.

O porta-voz do Crescente Vermelho, Mohammed al-Misrati, disse que as equipes chegaram ao local depois do alerta da população local, não tendo sido possível evitar o naufrágio e as mortes.

Corpos de imigrantes foram encontrados nesta terça-feira (21/02) em uma praia localizada a Oeste de Trípoli, capital da Líbia – Foto: IFRC MENA/Twitter/Reprodução

Agimos depois de uma alerto dos habitantes (…) Nossos voluntários foram a Harcha, perto de Zauia, para resgatar os 74 corpos de migrantes que pretendiam chegar à Europa”, disse Mohammed al-Misrati.

Mohammed al-Misrati disse ainda que as circunstâncias do naufrágio ainda são desconhecidas, e que talvez elas não sejam reveladas pelos sobreviventes.

Seis anos após a queda e a morte do ditador Muamar Kadhafi, a Líbia continua mergulhado no caos político e econômico. O litoral do país fica a 300 km de distância do litoral da Itália, e se converteu numa plataforma para a imigração ilegal.

Muitos imigrantes líbios, mesmo correndo sérios riscos, tentam a sorte atravessando o Mar Mediterrâneo em direção a Itália e a Grécia. Muitos acabam morrendo quando as frágeis embarcações onde estão naufragam.

A falta de uma polícia e de um Exército no país facilita para que milicianos exerçam o tráfico de seres humanos, cobrando altos valores para que eles possam fugir do país, que ainda hoje encontra-se em Guerra Civil.

Segundo dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM), mais de 13 mil imigrantes ilegais chegaram à Europa através do Mar Mediterrâneo em 2017. Ao todo, foram registrados 275 mortos no mesmo período.

Com informações das Agências Reuters e France Presse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo