“Rebeldes usam armas químicas contra civis em Aleppo”, acusa Governo Sírio

Rebelde sírio instalado na cidade de Dahiyet al-Assad, disparou no sábado (29/10) vários projéteis em direção ao Bairro de Hamdaniyah, em Aleppo. – Foto: Ammar Abdullah/Reuters

Rebelde sírio instalado na cidade de Dahiyet al-Assad, disparou no sábado (29/10) vários projéteis em direção ao Bairro de Hamdaniyah, em Aleppo. – Foto: Ammar Abdullah/Reuters

O Governo da Síria afirmou na manhã desta segunda-feira (31/10) que a Frente Nusra, formada principalmente por rebeldes, aliada a outros grupos terroristas, mataram pelo menos 84 pessoas em três dias na cidade de Aleppo, sendo que a maioria das vítimas são mulheres e crianças.

De acordo com informações das principais agências internacionais de notícias, a imprensa estatal síria tem divulgado informações acusando os rebeldes, a quem acusam de serem terroristas, de estarem usando gás venenoso em seus ataques. Os rebeldes têm negado tal acusação, e afirmam que tais atentados têm sido feitos por soldados do Exército Sírio.

De acordo com o Exército Sírio, nos últimos três dias rebeldes sírios teriam atacado a cidade de Aleppo, no Norte do país, com gás venenoso, causando a morte de 84 pessoas, a maioria mulheres e crianças.

A Organização das Nações Unidas (ONU) diz ter evidências do uso de armas químicas na Guerra Civil da Síria, mas declarou que ainda não é possível identificar a origem desses ataques, podendo ser militares ou rebeldes sírios.

Uma fonte do Exército Sírio, que preferiu não se identificar, garantiu que rebeldes teriam lançado ataques contra escolas e casas de civis. Ao todo, teriam sido disparados 20 bombas de gás venenoso e 50 Foguetes Grad, que causaram 48 incêndios de grandes proporções.

A Frente Nusra negou os ataques e afirmou que rompeu sua aliança com o Grupo Al-Qaeda, tendo inclusive mudado de nome para Jabhat Fateh al-Sham. Este grupo é um dos principais a fazer parte da ofensiva em Aleppo, parcialmente controlada por rebeldes.

Testemunhas que residem em Aleppo disseram que na última sexta-feira (28/10) grupos não identificados lançaram bombas com gás venenoso no Bairro de Hamdaniya, causando a morte de vários civis.

Os rebeldes negaram tais acusações e afirmaram que não possuem armas químicas e nem condições de consegui-las, mas que o Exército Sírio as possui.

Os rebeldes sírios iniciaram em janeiro de 2011 uma série de protestos para tentar derrubar do poder o presidente/ditador Bashar al-Assad. A repressão do governo fez com que muitos decidissem pela luta armada, tendo a partir deste momento iniciado oficialmente a Guerra Civil na Síria.

Várias cidades sírias estão sitiadas e muitas completamente destruídas. Monumentos históricos foram danificados e/ou destruídos e parte do país encontra-se em poder do grupo terrorista Estado Islâmico.

O conflito na Síria fez com que milhares de pessoas saíssem do país, preferindo se arriscar na travessia do Mar Mediterrâneo em direção da Europa, provocando uma crise imigratória sem precedentes.

Com informações das Agências Reuters e France Presse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo