PMA autua e multa pecuarista por desmatamento ilegal em propriedade rural de Nioaque (MS)

Foto: PMA/MS – Divulgação

Foto: PMA/MS – Divulgação

A Polícia Militar Ambiental (PMA) em Mato Grosso do Sul divulgou na manhã desta segunda-feira (23/05), a informação de que policiais da corporação registraram em uma fazenda localizada na Zona Rural de Nioaque, a 165 km de distância de Campo Grande, capital do Estado, desmatamento ilegal. O proprietário do imóvel foi autuado e multado.

De acordo com informações da Assessoria de Comunicação da PMA, a autuação e a aplicação da multa aconteceram na tarde de sábado (21/05), por volta das 14h25min (horário de MS), durante uma fiscalização de rotina.

Segundo os dados que constam no Auto de Infração (AI), os quais foram repassados à imprensa, os policiais militares faziam uma fiscalização na região quando ao chegarem em uma propriedade rural constataram o desmatamento de 1 hectare. Foram cortadas seis árvores da espécie aroeira, além do desmatamento de uma vegetação de cerrado.

Questionado, o pecuarista disse não possuir licença ambiental para fazer o desmatamento, obrigatória para quem deseja cortar árvores ou realizar desmatamentos em propriedades rurais.

Diante dos fatos apresentados, o infrator foi autuado administrativamente e multado em R$ 4,8 mil. Além disso, ele foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil do município, onde foi autuado por crime ambiental.

Caso venha a ser condenado pela Justiça, o pecuarista poderá pegar uma pena que varia de 1 a 2 anos de detenção em regime fechado.

O crime praticado por ele foi de desmatamento e exploração ilegal de madeira protegida por Lei. O corte de plantas e de algumas espécies de árvores cuja madeira é considerada nobre, é proibido pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Mesmo com autorização do Ibama e dos órgãos ambientais estaduais, é necessário realizar um Plano de Manejo.

Com informações da Assessoria de Comunicação da PMA/MS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo