Terremoto de 6,1 graus na Escala Richter atinge o Japão

Um forte terremoto de magnitude de 6,1 graus na Escala Richter atingiu na madrugada desta sexta-feira (1ºde abril) a Região Central do Japão, deixando muitas pessoas assustadas. Ainda não há informações sobre possíveis vítimas e/ou danos.

De acordo com informações das principais agências internacionais de notícias, o tremor atingiu principalmente a província de Mie, e obrigou as autoridades a suspenderem a circulação de trens entre as estações de Shizuoka e Gifu Hashima.

Segundo dados da Agência Meteorológica do Japão (JMA – sigla em inglês, o abalo sísmico aconteceu por volta das 05h35min (horário de Brasília), e teve seu epicentro no mar, a cerca de 50 km de distância da cidade de Taiji, e seu hipocentro a 10 km de profundidade.

Ainda de acordo com informações da JMA, não foi emitido alerta de tsunami, mas houve mudanças consideradas leves no nível do mar em algumas regiões litorâneas do país. O abalo sísmico atingiu o nível 4 na escala japonesa.

Por precaução, as autoridades japonesas determinaram que todas as pessoas que moram no litoral, próxima a área onde ocorreu o tremor, sejam evacuadas o mais rapidamente possível.

Há relatos, ainda não oficialmente confirmados, de que o tremor foi sentido em praticamente todo o Centro do país, e em parte da Região Oeste do Japão. A cidade mais atingida pelo tremor foi Kozagawa, localizada na província de Wakayama, no Oeste do país. Equipes de resgate já estão a caminho das regiões afetadas.

As emissoras públicas de rádio e televisão, a ‘NHK’, informou agora a pouco que houve danos na infraestrutura de algumas cidades, e que por precaução o trem bala ficou parado por alguns minutos.

Ainda não há informações sobre danos em rodovias e estradas. Escolas e prédios públicos nas cidades afetadas foram esvaziadas e fechadas.

O Japão está situado em uma área denominada de ‘Círculo de Fogo do Pacífico’, uma das zonas mais ativas do mundo, e onde ocorrem abalos sísmicos com frequências, muitos, porém, de baixa intensidade.

Com informações das Agências France Presse, Reuters e NHK

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo