Arqueólogos encontram em Portugal, ossos de judeus que podem ter sido vítimas da inquisição

Arqueólogos e pesquisadores portugueses localizaram esta semana na cidade de Évora, em Portugal, ossadas humanas pertencentes a judeus hereges que foram mortos por inquisidores católicos entre os séculos 16 e 17. – Foto: EFE

Arqueólogos e pesquisadores portugueses localizaram esta semana na cidade de Évora, em Portugal, ossadas humanas pertencentes a judeus hereges que foram mortos por inquisidores católicos entre os séculos 16 e 17. – Foto: EFE

Arqueólogos portugueses encontraram esta semana sob os escombros do que teria sido a principal sede da inquisição de Portugal, na Cidade de Évora, ossos de judeus que supostamente teriam sido vítimas dos perseguidos da Igreja católica durante os séculos 16 e 17.

Ao todo, foram encontrados 12 esqueletos humanos, provavelmente de judeus hereges. Foram descobertos os restos mortais de 3 homens e 9 mulheres, que se acredita não tenham renunciado a sua fé e a sua crença, preferindo a morte.

Segundo o antropólogo Bruno Magalhães, um dos membros da equipe de pesquisadores portugueses, o interesse é o de tentar descobrir onde e como eram sepultados os judeus acusados de heresia.

Bruno Magalhães esclareceu que todos já sabiam que os judeus hereges não eram sepultados em cemitérios católicos, mas agora descobriu-se que eles eram jogados na lixeira.

Em entrevista à Agência de Notícias EFE, Magalhães disse que o objetivo dos inquisidores era o de punir, não somente os corpos dos hereges, mas sobretudo, as suas almas.

“O objetivo era não só punir o corpo da pessoa, mas também castigar a alma”, disse Magalhães.

O antropólogo português disse ainda que classes diferentes de pecadores tinham direito a outro tipo de tratamento.

“Há uma grande diferença para determinar o funeral, segundo a acusação. Por exemplo, um acusado de bigamia era enterrado em uma igreja”, afirmou Bruno Magalhães, acrescentando ainda que as investigações também revelaram que esses judeus hereges sequer tinham chegado a ser condenados a morte, falecendo ainda enquanto estavam presos.

As ossadas encontradas em uma lixeira localizado em um dos pátios do antigo Palácio do Santo Ofício pertencem a hereges que morreram em Évora entre os anos de 1568 e 1634, no auge da Inquisição promovida pela Igreja Católica.

A cidade portuguesa de Évora fica localizada a 180 km de distância de Lisboa, capital de Portugal, e foi sede do primeiro Tribunal Inquisidor do país, devido principalmente à presença da Corte Real Portuguesa.

O antigo Palácio do Santo Ofício, que julgou milhares de hereges e pecadores até o fim do século 18, ainda está em uso, e atualmente abriga o Fórum Eugênio de Almeida, um espaço cultural destinado a exposições e projetos artísticos.

Com informações das Agências EFE e AFP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo