Mais regular, Sesi passa pelo Vôlei Nestlé

Desfalcada e com grupo em formação, equipe de Osasco ainda não conseguiu vencer fora de casa no Campeonato Paulista 2017

Paula enfrenta Dani Suco (Luiz Pires / Fotojump)

Santo André (SP) – Sofrendo com os altos e baixos naturais de um time em formação, o Vôlei Nestlé foi superado pelo Sesi na noite desta terça-feira (12), no ginásio do adversário, por 3 sets a 1, com parciais de 25/15, 25/17, 20/25 e 25/19, 1h42min. Classificado para a semifinal por antecipação em função de ser o atual campeão, o time de Osasco encerra sua participação na primeira fase na próxima terça-feira (19), quando recebe o Pinheiros no José Liberatti, onde tem 100% de aproveitamento neste Estadual (dois resultados positivos em duas partidas) e mantém uma invencibilidade que dura 21 jogos.

Para Carol Albuquerque, o Vôlei Nestlé não começou bem a partida e não conseguiu reverter o placar diante de um adversário motivado. “O Sesi entrou em quadra sem responsabilidade. A meninada jogou solta, em casa, e deu no que deu. Sacaram bem, quebraram nosso passe e bloquearam bem”, afirmou a levantadora, que completou. “Agora é trabalhar para a próxima partida e defender nossa invencibilidade dentro de casa”.

O técnico Spencer Lee concorda com sua levantadora. “Começamos de forma muito lenta, deixamos que elas ganhassem confiança e depois ficou difícil segurar. O Sesi jogou melhor e mereceu a vitória. Também acho que falta, para algumas de nossas atletas, assumir um papel de protagonistas que são. Fato é que poderíamos e deveríamos ter feito uma partida melhor do que fizemos”, afirmou o treinador, que comanda a equipe de Osasco enquanto Luizomar Moura está à frente da seleção do Peru.

Mari Paraíba engana bloqueio (Luiz Pires / Fotojump)

O revés sofrido diante do Sesi é o terceiro do Vôlei Nestlé no Campeonato Paulista, como visitante. Nas quatro partidas anteriores pelo Estadual, derrotou Bauru (3 sets a 2) e Valinhos (3 a 1) diante de sua torcida, e foi superado por Barueri (3 a 0) e São Caetano (3 a 2) fora de casa.

Reforços – Para a fase decisiva do Campeonato Paulista, o time de Osasco contará com o retorno de Tandara e Bia, que chegaram ao Brasil na manhã desta terça-feira após a conquista da medalha de prata na Copa dos Campeões do Japão. Quem também deve estar em quadra é a sérvia Nadja Ninkovic. Ela chegou ao Brasil na segunda-feira (11), acompanhou a partida de seu novo time nesta terça-feira (12) e espera a regularização de sua transferência para estrear.

Tandara e Bia estão entre os principais destaques deste novo ciclo olímpico da Seleção Brasileira. Eleita melhor oposta da Copa dos Campeões, Tandara foi a MVP (jogadora mais valiosa) do Campeonato Sul-Americano e uma das maiores pontuadores da fase final do Grand Prix, competições em que o Brasil conquistou o título. Bia levou o troféu de melhor central do Grand Prix e se firmou como peça importante no meio de rede. Após merecida folga, a dupla vai se apresentar no Liberatti para a fase decisiva do Paulista.

Além de Bia e Tandara, Spencer Lee espera por mais reforços para a etapa decisiva do Paulista. Lorenne disputa o Mundial Sub-23 na Eslovênia e Fabíola está em fase final de recuperação da artroscopia no joelho direito. A expectativa é que todas estejam à disposição do treinador para a fase final do Paulista.

Bloqueio de Mari e Nati Martins (Luiz Pires / Fotojump)

O jogo – Um primeiro set para esquecer. O Vôlei Nestlé não entrou em quadra na parcial inicial. Spencer Lee pediu tempo no 1/5 e no 4/10. Mas não adiantou. O saque não agrediu o Sesi, que teve liberdade para trabalhar o ataque e vencer o bloqueio da equipe de Osasco. O passe também não funcionou e impediu Carol Albuquerque de colocar suas atacantes em condições ideais. O resultado foi um tranquilo 25/15 para as donas da casa, em 23 minutos.

O Vôlei Nestlé apresentou melhoras no segundo set, mas não o suficiente para liderar o marcador. Chegou a estar um ponto atrás no 7/8, mas o volume de jogo do Sesi foi maior e as donas da casa foram abrindo. A oposta Paula seguiu como a mais regular das atacantes do time de Osasco. Mari Paraíba também apareceu com bolas importantes pelas pontas. Porém, embora o Sesi tenhe pedido um tempo no 21/16, encaminhou a vitória por 25/17, sem sustos, em 23 minutos.

O Vôlei Nestlé chegou, efetivamente, para a partida no terceiro set. Mais centrado emocional e tecnicamente, equilibrou as ações e alternou a liderança no placar. Carol consegiu uma sequência de três pontos, com um ataque, um bloqueio e uma bola de segunda, e as visitantes fizeram 9/7. Bruna Neri entrou bem em quadra e aumentou as opções ofensivas. Mas foi Ju Mello, em uma série de quatro bons saques, com direito a ace no 21/18, que encaminhou a vitória, selada por Mari com uma largada para decretar o 25/20, em 28 minutos.

Time festeja ponto (Luiz Pires / Fotojump)

O quarto set começou equilibrado, mas no 6/9, Spencer Lee pediu tempo para reorganizar sua equipe. Mas a defesa do Sesi conseguiu segurar a potência do ataque do Vôlei Nestlé e aproveitou os contragolpes para abrir vantagem. Quando Ednéia fez um ace, o placar estava em 15/11 para as donas da casa. Mari Paraíba ainda marcou dois pontos para encostar, 17/20, mas não foi suficiente para evitar a vitória do adversário por 25/19, em 27 minutos.

Vôlei Nestlé iniciou a partida com Carol Albuquerque (4), Paula (14), Natasha (2), Mari Paraíba (15), Nati Martins (5), Ednéia (3) e a líbero Tassia. Entraram Bruna Neri (8), Ju Mello (7) e Zeni. Técnico: Spencer Lee.

Sesi iniciou a partida com Pri Hedes, Nikole, Jéssica, Glayce, Dani Suco, Marjore e a líbero Erika Pão. Entraram: Bruna, Iarla e Cássia. Técnico: José Rodolfo da Silva.

Ju Mello fez boa sequência no saque (Luiz Pires / Fotojump)

Histórico no Paulista – O Vôlei Nestlé é o atual pentacampeão Paulista. O time de Osasco venceu Campinas, em 2012, o Sesi, em 2013, o São Cristóvão Saúde/São Caetano, em 2014, o Sesi, em 2015, e o Pinheiros, em 2016. São seis decisões consecutivas, com cinco títulos e um vice-campeonato em 2011. O clube detém a hegemonia de troféus na competição estadual, com 14 conquistas. O clube da cidade foi campeão nas edições de 1996, 2001, 2002, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2012, 2013, 2014, 2015 e 2016.

Nutrindo os Sonhos dos Jovens – De olho no futuro e na nova geração do vôlei brasileiro, o Vôlei Nestlé reforçou o DNA de seu projeto ao firmar parceria com o Programa Global “Nutrindo os Sonhos dos Jovens”, lançado pela Nestlé na Europa em 2013, e que chegou ao Brasil no final de 2015. A equipe para a temporada 2017/18 deve manter a filosofia de mesclar atletas experientes com jovens, que buscam espaço em um clube tradicional como o Osasco. O programa está voltado para a capacitação de jovens para qualificá-los profissionalmente.

Campeonato Paulista – Divisão Especial

Turno único

18/8 – Hinode Barueri 3 x 0 Vôlei Nestlé

25/8 – Vôlei Nestlé 3 x 2 Vôlei Bauru

5/9 – Vôlei Nestlé 3 x 1 Renata Valinhos/Country

8/9 – Sâo Cristóvão Saúde/S. Caetano 3 x 2 Vôlei Nestlé

12/9 – Sesi 3 x 1 Vôlei Nestlé

19/9 – Vôlei Nestlé x Pinheiros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo