Peça “Revolução”, contemplada pelo Prêmio Rubens Corrêa, é apresentada na Orla Morena

Cena do espetáculo ‘Revolução’ – Foto: Helton Perez/Vaca Azul

Campo Grande (MS) – Contemplado pelo Prêmio Rubens Correa da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, Secretaria de Cultura e Cidadania e Governo do Estado, o espetáculo “Revolução”, do Teatral Grupo de Risco, foi encenado na noite desta sexta-feira (11.08) no Teatro de Arena da Orla Morena.

A apresentação fez parte das três encenações previstas para a estreia: a primeira foi na tarde desta sexta na Escola Municipal Professora Irene Szukala, e a terceira será neste sábado (12.08), às 17h30, na Praça Ary Coelho. Todas as apresentações são gratuitas.

O espetáculo é uma adaptação do texto original “A Revolução na América do Sul”, de Augusto Boal e compõe o projeto “A Revolução”. A peça foi construída coletivamente por meio de pesquisas sobre o teatro do oprimido, teorizado por Augusto Boal. Montado como espetáculo de rua, “Revolução” desenrola a história de um operário que busca a melhoria de salário e é despedido de seu emprego assim que o consegue. Zequinha Tapioca, também operário, tenta organizar uma revolução e se torna um dos candidatos à presidência da república.

André Tristão, um dos atores da peça, disse que o teatro de Augusto Boal tem tudo a ver com o Teatral Grupo de Risco. “O que ele fala nos textos dele tem tudo a ver conosco. O grupo tem um trabalho muito consistente, um namoro com o teatro do oprimido que o Augusto Boal apresenta. Já tinha há muito tempo vontade de montar e conseguimos depois de um ‘tempão’ tentando”.

Sobre o Prêmio Rubens Corrêa, Tristão diz que é importante para a classe teatral. “É um prêmio exclusivo de montagem, para novos trabalhos. É uma forma de ter produção nova. Acho que tinha que haver mais incentivo para abrir para novas possibilidades. É uma conquista da classe com relação às políticas públicas para a cultura”.

O espetáculo é todo acompanhado pelo intérprete em Libras Giliard Bronner Kelm, com o intuito de ampliar o acesso do público. “A gente previu no projeto a acessibilidade porque a gente precisava pensar a acessibilidade para a apresentação. Para mim, tinha que estar em todos os projetos do Prêmio. Eu penso que tinha que ser um critério para aprovação”, diz André Tristão.

A atriz Fernanda Kuntzler diz que o grupo privilegiou apresentações em escolas e espaços públicos gratuitos pela diversidade do público. “Na escola temos um público adolescente e na praça é mais diverso, tem crianças, idosos. Como eles devolvem é diferente, são experiências distintas. Hoje eu gostei bastante, eles ficaram muito atentos, observaram o todo do espetáculo, estiveram entregues o tempo todo. É uma troca muito interessante para nós, para fortalecer no espetáculo”.

“Revolução” marca os 29 anos de atuação do Teatral Grupo de Risco (TGR), que aniversaria este mês. Não perca a apresentação deste sábado, às 17h30, na Praça Ary Coelho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo