A importância da comunicação para o sucesso da transição no cuidado do paciente

Nilsa Yamanaka, educadora do CBA – Foto: Divulgação

Um dos maiores desafios humanos é a adequada comunicação interpessoal. Essa questão se torna crítica na área de saúde quando necessitamos assegurar a assistência de maneira efetiva, especialmente nos processos de transição do cuidado profissional oferecido ao paciente. Ao assisti-lo, há a necessidade de identificar a melhor terapia no intuito de oferecer resultados favoráveis dentro das perspectivas possíveis para o tratamento do indivíduo que objetive a melhoria da saúde. Para o planejamento terapêutico, que deve ocorrer desde o primeiro contato até a alta, é fundamental que o mesmo seja realizado observando as práticas baseadas em evidências quer para o tratamento, do cuidado até a reabilitação, tendo em vista que as instituições de saúde são dinâmicas, possuem diferentes unidades de negócio e uma diversidade de clientes, o que gera possibilidades de ocorrência de falhas ou até mesmo evento adverso.

Para garantir qualidade e segurança no atendimento ao paciente, o cuidado centrado no indivíduo deve ser prioridade, fortalecendo o processo de cuidar, assegurado pela boa comunicação interprofissional, e também a adequada a comunicação com o paciente. A prestação de atenção integral dos serviços oferecidos aos pacientes é fundamental para prevenir problemas, possibilitando encontrar melhores soluções às enfermidades já observadas. Estabelecer diálogo com o paciente e seus familiares ou responsáveis contribui para ajustar o planejamento terapêutico as suas necessidades, respeitar as crenças e cultura do paciente e atender as expectativas das partes.

Na coordenação da transferência do cuidado também é necessário o envolvimento dos profissionais, dos pacientes e seus familiares ou responsáveis, sendo fundamental o adequado entendimento entre as partes frente ao processo terapêutico, monitorando constantemente sua efetividade, incentivando a promoção da saúde e o acompanhamento da transição interprofissional do cuidado realizado. O paciente, os familiares ou responsáveis e os profissionais envolvidos na transição do cuidado devem interagir de maneira que a comunicação e a informação sejam seguras a todos.

Desta forma, é possível diminuir as ocorrências mais prevalentes relacionadas com a transferência interprofissional do cuidado: erros de medicação, a prática não segura e a não avaliação na realização da reconciliação. Também, observamos a ausência do planejamento na admissão do paciente fazendo ocorrer aumento nos dias de internação e, consequentemente, onerando ainda mais os custos do cuidado de saúde. Esse é um cenário mundial.

Sistematizar a informação por meio de protocolo contribui com o processo de transferência do cuidado, assim como é fundamental nesta etapa investir em sistemas informatizados robustos para agregar informações, contribuindo com alertas para garantir que todas as fases sejam realizadas, disponibilizando, por exemplo, dados referentes à medicação permitindo seu monitoramento e até a melhoria do planejamento. Segundo a metodologia Joint Commission International (JCI), planejar e projetar processos de gestão de informações para atender as necessidades de informações internas e externas permite gestão segura e eficaz.

O implemento efetivo do processo de transição do cuidado de forma sistematizada contribui para a sua continuidade, evitando omissão, erros ou duplicidade nas informações das recomendações do tratamento.

As diferenças étnicas, culturais, idiomáticas ou religiosas, também podem influenciar na transição do cuidado, tornando o processo vulnerável se não houver a busca do entendimento com a quebra destas barreiras, o que facilitará o processo de acesso e recebimento de cuidados, conforme o manual de padrões da Joint Commission International.

Portanto, o fortalecimento da comunicação interpessoal – profissionais, pacientes ou familiares – e o fluxo de informações informatizadas do processo é primordial para uma gestão segura na transferência do cuidado.

*Nilsa M. A. Yamanaka é enfermeira pela Escola de Enfermagem da USP- Ribeirão Preto, licenciada em Enfermagem pela Faculdade de Educação da USP; possui especialização em Administração em Saúde pela FGV-SP e MBA em Gestão e Tecnologia da Qualidade POLI-USP. É educadora para Serviços de Educação para a Melhoria da Qualidade e Segurança Assistencial de Instituições de Saúde do Consórcio Brasileiro de Educação, associado brasileiro da Joint Commission International.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo