Maternidade Maria Amélia Buarque de Hollanda celebra 5 anos com resultados positivos e participação em projeto internacional

Foto: Divulgação

O Hospital Maternidade Maria Amélia Buarque de Hollanda (HMMABH), pertencente à rede pública municipal do Rio de Janeiro, está completando cinco anos. Para comemorar os números positivos e os mais de 23 mil partos realizados desde a fundação da unidade, uma programação foi especialmente montada para celebrar a data, com exposição, apresentação de músicos e da Orquestra Maré do Amanhã e realização de atividades com a equipe Saúde Criança.

Referência em partos humanizados no Rio, o HMMABH representa um avanço na atenção materno-infantil carioca, graças à sua estrutura e protocolos clínicos obstétricos e neonatais, como aponta o diretor médico da unidade, o obstetra Wallace Mendes. A Maternidade realiza ainda atendimento de urgência, internações obstétricas, neonatais e pré-natal em gestação de alto risco. “Toda a assistência é baseada nas melhores evidências científicas”, enfatiza o diretor médico.

Até hoje, já foram realizados mais de 17 mil partos normais e cerca de 6.500 cesarianas, resultado que atende a taxa de referência preconizada pela OMS – Organização Mundial de Saúde – que recomenda que o número de cesáreas deve ficar entre 25% e 30% do total de partos realizados. Os atendimentos de emergência obstétrica ao longo dos cinco anos da unidade chegam a quase 90 mil.

Outro destaque da Maternidade é a garantia de uma assistência humanizada para as gestantes. Para isso, a unidade utiliza uma série de métodos não farmacológicos para alívio da dor durante o trabalho de parto, como massagens, banhos quentes, aromaterapia, entre outros, e revisa constantemente os processos de trabalho para a manutenção do padrão de qualidade da assistência. “Registramos e analisamos periodicamente os nossos indicadores de qualidade e, além disso, treinamos e estimulamos as equipes a participar de atividades de educação permanente para atualização”, ressalta Ana Murai, diretora geral da unidade.

Entre os principais desafios para os próximos anos, Mendes destaca a diminuição dos casos de transmissão de sífilis de mães para os bebês – num trabalho conjunto com a Rede de Atenção Primária à Saúde; a implantação da coleta de vestígios de violência sexual e armazenamento desse material na cadeia de custódia – que consiste em sala-cofre e geladeira especial instalada em unidade de saúde – e a inserção de mais de 80% das crianças vacinadas na Maternidade no SI-PNI, sistema desenvolvido para a avaliação dinâmica do risco de surtos ou epidemias.

Projetos vitoriosos

A Maternidade conta uma equipe multidisciplinar, que realiza atividades educativas no ambulatório e nas unidades de internação, e participa do programa Cegonha Carioca (acompanhamento pré-natal),da Secretaria Municipal de Saúde, além de ter implantado o Família Grávida (orientações à família sobre os principais assuntos relacionados à gravidez, ao parto e ao puerpério) e o Projeto Redinha(voltado para bebês prematuros)Juntas, essas iniciativas proporcionam atenção especial às pacientes, acompanhantes e bebês e, só em 2016, registraram mais de quatro mil atendimentos.

O reconhecimento do trabalho vem até de fora do país. O projeto Prepare – Redução da Prematuridade a partir de Cuidados na Pré-eclâmpsia, desenvolvido na Maternidade, conquistou o apoio da Fundação Bill & Melinda Gates. Esta é uma das 21 iniciativas de pesquisa em saúde materno-infantil do programa Grandes Desafios Brasil, financiado pela Fundação Bill & Melinda Gates e pelo Ministério da Saúde.

O projeto, que tem duração de 48 meses, é fruto da colaboração internacional entre investigadores brasileiros, liderados pelo médico e professor Marcos Augusto Bastos Dias, do Instituto Fernandes Fiqueira/Fundação Oswaldo Cruz. O trabalho engloba uma série de ações que têm como objetivo evitar o parto prematuro em mulheres com pré-eclâmpsia e prevê ainda coleta de material com amostras de sangue e urina, que serão encaminhados para um biobanco e servirão para estudos futuros.

A produção acadêmica de médicos do Hospital Maternidade Maria Amélia Buarque de Hollanda também foi destaque no cenário internacional. Em 2015, um trabalho científico sobre estratégias de redução da taxa de episiotomia foi apresentado no XXI Congresso Mundial da Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia, no Canadá, pelo médico Marcos Nakamura. Em 2013 e 2014, a Epidemiologia do HMMABH também apresentou trabalhos em eventos científicos no México e na Espanha, respectivamente.

Planejando o próximo ano

Para o próximo ano de funcionamento, o diretor médico da unidade anuncia o desenvolvimento e publicação do Manual de treinamento para aplicação de BCG, um projeto conjunto entre a Maternidade, a Secretaria Municipal de Saúde e o Centro Especial de Vacinação Doutor Álvaro Aguiar (CEVAA).

NÚMEROS DA HMMABH

DADOS 2012 2013 2014 2015 2016 2017 Total Média
Nascidos Vivos 1.538 4.952 4.977 5.365 5.106 1.869 23.807 3.968
Partos Normais 1.284 3.808 3.608 3.850 3.587 1.359 17.496 2.916
Partos Cesáreos 262 1.168 1.382 1.548 1.543 519 6.422 1.071
Internações Obstétricas 1.789 5.551 5.713 6.220 6.146 2.250 27.669 4.612
Internações Neonatais 206 863 1.029 734 1.203 298 4.333 722
Consultas de Pré-Natal 6.398 4.998 4.770 5.261 1.735 23.162 3.860
Atendimentos de Emergência Obstétrica 6.462 18.097 18.367 18.002 18.330 7.145 86.403 14.400

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo